6.20.2013

Educação.

No meu bairro há imensas crianças e todas dentro da faixa etária do meu fofusco cheiroso. É habitual encontrarmo-nos todos ao fim do dia e enquanto as crianças brincam, os pais conversam e trocam experiências. Mas sempre de olho posto neles porque andam terríveis! lol 
Todos buscamos a felicidade. E, neste momento, como pais e mães, a felicidade vai sempre de encontro àquele pequenino ser. Queremos ser felizes profissionalmente, queremos ser felizes pessoalmente. Queremos ser felizes psicologicamente e monetariamente. As coisas estão interligadas e, se nos falta estabilidade numa delas, nem sempre a felicidade é conseguida. E temos de lutar por ela, contorná-la quando não nos é possível ir por um certo caminho, procurar atingi-la mudando de objectivos, de sonhos, de caminhos. Há pessoas que mudam completamente de vida porque podem, porque são lutadoras, sonhadoras. Eu gostava de um dia poder mudar assim. Neste momento não posso arriscar. Não posso simplesmente desistir da minha profissão porque o meu marido sozinho não ganha para as despesas. Mas devias, ouviste Ubinho? hehe E temos um filho, que depende de nós, da nossa felicidade, do nosso bem-estar. 
Nunca fiz greve. Não sou contra o fazer greve. Acredito que se estamos insatisfeitos, infelizes, temos de lutar com as armas que temos. Acredito no descontentamento dos professores porque acredito em profissões bem pagas e em pessoas plenas na profissão que escolheram, no papel que desempenham na sociedade. Eu quero o meu filho feliz numa sala de aula, com professores motivados, com força e vontade de ensinar. Não quero o meu filho numa turma de 40 alunos, com professor/a cansado, desmotivado, aborrecido, descrente. A educação é uma das bases da sociedade. Um povo sem educação, é um povo sem alma.
Por isso, vamos acarinhar os professores e acreditar na sua luta, porque também é a nossa. E eu quero a minha felicidade e a felicidade do meu filho.
O´

12 comentários:

  1. É assim mesmo! :)))) Nem consigo imaginar o rosto do ensino quando o teu filho for para a escola, sinceramente. Mas acarinhar todos aqueles que nos querem bem é um bom princípio.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente eu sofro por antecipação e penso em tudo e mais alguma coisa. Mas não devia ser assim, é sofrimento demais. :s

      Eliminar
  2. Quando venho aqui e leio atentamente as tuas experiências, o meu relógio biológico dá sempre sinal :p

    ResponderEliminar
  3. Apoiado Uba Maria... estou com os professores do nosso pais... sou contra a violencia mas a favor de se fazerem ouvir.
    bjinhos bom fds por terras quentes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, completamente contra a violência, qualquer que seja, entre pessoas, de destruição de monumentos... Completamente contra. Mas sim que se façam ouvir e que lutem pelos seus direitos.
      Beijocas :)

      Eliminar
  4. Muito bem dito Uba. Todos pensassem como tu. Espero que os professores consigam melhorar as suas condições porque de facto é vergonhoso. O nosso país só premeia os ignorantes e ignóbeis.
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Wendy! :)
      Infelizmente é isso mesmo, quem tem valor é completamente colocado de parte, esquecido, maltratado. E os jobs são sempre para os boys!

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Quando quero até sei dizer umas coisitas. ;)

      Eliminar