11.14.2012

Ou.

Sabem quando andamos saturados do que fazemos? Quando não suportamos mais ouvir o nosso chefe? Quando tudo o que ele diz nos irrita? Quando não acreditamos em metade dos objectivos que tanto vende aos outros? Hoje é um desses dias. Fosse eu rica, OU, tivesse eu um marido que ganhasse o suficiente para nos sustentar, eu desistia disto. Vivia para a família. Não me venham dizer que é mau, que ia ficar aborrecida. Acreditem, estive de licença de maternidade e não me senti nada disso. Não tive saudade de voltar ao activo. Obviamente que a rotina laboral nos faz falta mas nada que não se aguente. É quase como a frase feita "O dinheiro não traz felicidade.". Está bem, está! Pode não trazer, mas que ajuda, isso ajuda. 
Hoje é isto. 
O´

22 comentários:

  1. Amanhã será outro dia! Bem melhor de certeza!

    ResponderEliminar
  2. Como eu percebo isso... Ai, tão mas tão bem que podia ter sido eu a escrever essas palavras!!!
    (até à parte do ter marido vá)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tanta gente vive esta realidade, não é?

      Eliminar
  3. Por essas e por outras que prefiro ganhar menos e trabalhar em casa! E se contar o que gastava em gasolina e em alimentação... Estou melhor por aqui e bem mais feliz ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem mais feliz... Acredito piamente nisso porque também não me senti assim.

      Eliminar
  4. Por aqui esse sentimento de saturação não é com o chefe - que também é patrão- é mesmo com os parvalhões dos colegas que passam o tempo com lamúrias e queixinhas e maldades só pelo prazer de fazer mal, sem qualuer proveito próprio.

    Eu ando a ver se mudo de vida, não sei é quando...

    Bjs e paci~encia para aí!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei como há pessoas felizes assim... Mas pronto, cada um carrega a sua cruz, não é?
      bjs

      Eliminar
  5. Então não traz. Pode não comprar tudo mas traz muita felicidade e descanso. Enfim, tenta ser positiva e ignorar. Há dias em que não conseguimos, bem sei, mas se não nos esforçarmos damos em doidos. Temos que nos agarrar ao que de melhor temos no trabalho e fazer disso a nossa motivação. Eu também faço esse exercício muitas vezes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Palavras sábias, Wendy. Tens toda a razão! Mas hoje é um daqueles dias...

      Eliminar
  6. Respostas
    1. Digo isso tantas vezes... Mas como?! Beijocas

      Eliminar
  7. Olá Uba. Antes de mais, obrigada pela mensagem e por teres gostado do blog (apesar de, neste momento, andar um pouco down, não são posts felizes). Quanto ao teu post, acredita que sinto o mesmo, mesmo fazendo o que faço por vocação, por gosto. Mas o que mais me desmotiva é a falta de reconhecimento do esforço em fazer cada dia, um pouco mais e melhor do que no anterior, apesar de muitas vezes estar obrigada a investir menos do que gostaria no que é essencial , que é a minha família. Desmotiva a falta de objetivos de alguns num bem comum, a falta de reconhecimento ou impedimento em andar para a frente, a falta de tempo que temos para a nossa família, a falta de dinheiro no fim do mês. Tudo isso desmotiva e acabamos por nos sentirmos assim. E chega a um dia, em que sim, o que mais gostaríamos era ficar em casa, sem responsabilidades laborais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Disseste tudo o que penso, Aline. Cada vez menos tempo para estar em família e cada vez menos reconhecimento. Acabam-se os direitos e começam os deveres em força!
      Obrigada pela visita! :)

      Eliminar
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eh lá, tantas novidades! :D Estou feliz por ti e por teres partilhado comigo. :)
      Não, tenho apenas uma licenciatura. Para trabalhar a partir de casa, teria de fazer investimento que neste momento, com um filho, com tantas coisas para pagar, seria impossível de manter. Seria um tiro no escuro, com o risco de haver ricochete e ser fatal.
      Fazes bem, ainda és nova. Fui mãe aos 30. ;)
      Beijinhos

      Eliminar
  9. Eu se pudesse também mandava isto tudo às favas...mas não posso, mais ainda agora que estou a planear a minha primeira gravidez aos 35 anos.
    Mas se pudesse...
    E dinheiro traz felicidade sim senhora!! Digo eu que AINDA tenho algum :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também espero um dia planear a segunda porque é uma fase muito feliz. Vais adorar! ;)
      Vou visitar o teu cantinho.

      Eliminar
  10. Bingo... sábias palavras minha linda...

    ResponderEliminar