2.06.2014

Auto-estima.

A auto-estima é um assunto que me preocupa. Sabem aquele tipo de matérias que não sabem por onde pegar, o que fazer, como agir... Pois bem, sinto-me uma besta a olhar para um palácio (Sem conotações a praxes, ok?!). Tenho andado a documentar-me pois quero fazer o melhor para o meu filho. Sim, sei que não posso stressar, não posso entrar em extremismos, mas é um assunto delicado para mim. Porquê? Porque os meus pais nunca tiveram muito cuidado nesse aspecto. Digamos que faziam o contrário. Mais o lado paternal que tinha tendência a apontar os falhanços, os deslizes, os defeitos, em vez de incentivar a mudar, a alterar, a querer ser cada vez mais. Fruto da educação, do feitio, seja o que for, marcou-me pela negativa e, por isso mesmo, não quero fazer o mesmo com o meu pequenote. Porém também não quero cair no excesso, pois posso fazer exactamente o contrário do esperado. 
Por isso, aceito dicas, conselhos e abracinhos também sabem bem.
O que vinha mesmo agora a calhar?! Um workshop da Magda Dias sobre este tema. Isso é que era!

20 comentários:

  1. Olha, hoje andamos a dar no mesmo :) Também ainda não me debrucei muito sobre o assunto mas já tento contrariar a vontade de dizer 'Boa!!' por tudo e por nada. Se não está tão bem digo pergunto se fazia alguma coisa diferente se fosse fazer outra vez, mas continuo a elogiar mt quando faz sentido. Ontem foi dia de dizer que tem muito jeito para a 'horta'... e tem mesmo! Bjs xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Paulinha, procuro fazer o mesmo. Mas às vezes sai o elogio fácil e quando dou conta é tarde! lol

      Eliminar
  2. Olha, gostava de me ir preparando e participar do mesmo workshop!
    Confesso que não sei como te ajudar pois ainda nem filhos tenho... mas deparo-me com questões semelhantes à tua

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que é uma questão relevante para nós, mesmo não sendo pais. :)

      Eliminar
  3. Vou estar atenta aos comentarios, tenho o mesmos medos que tu
    educar e' dificil credo
    bjoo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mesmo difícil e o medo de errar é uma constante. Depois claro, há pessoas menos stressadas que outras. Outras têm aquele poder, aquela calma que parece atrair as coisas certas... :)

      Eliminar
  4. Descukpa, não percebi. Sugeres que não se deve estar sempre a criticar nem sempre a elogiar? Que elogiar "faz mal"?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A pergunta foi para a Uba mas respondo eu também ;) 'Elogiar não é mau. É como o sal. Pouco sabe a pouco em excesso estraga. É mais ou menos isto, a bem da verdade.' explicação aqui... http://mumstheboss.blogspot.pt/2014/01/elogiar-uma-crianca-e-meio-caminho.html

      Eliminar
    2. Esclarecida, Morango? :)
      Beijinhos

      Eliminar
  5. Por mais que se fale do tema, toda a gente se esquece de humanizar o outro lado. Faça o pai, a mãe, o tio, o professor, o vizinho, o que fizer, do outro lado há outro ser humano, que vai sentir cada coisa da sua maneira, vai formar as suas próprias convicções e opiniões. O que te marcou a ti quando te chamavam à atenção pelos teus erros, a outras pessoas passou completamente ao lado ou não marcou. Assim como há pessoas a ser constantemente elogiadas, desafiadas a querer sempre mais, e que se continuam a queixar de não lhes darem valor.

    Sem stress. Eu não sei dar conselhos porque quem sou eu, mas posso dar a minha opinião. Sê coerente e faz o que achares melhor. Ouve, escuta e reformula, sempre que te parecer que é importante. Sempre que o contexto ou a mudança de contexto o exija. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Pec. Também penso que, muitas das vezes, é uma questão de bom senso, mais de sentir do que de pensar... Mas nisto de educar há tantos receios, tanto medo de falhar... Trata-se de um ser que amamos muito. É aquele querer fazer a coisa certa, mesmo sabendo que não há perfeição e que as falhas existirão.
      Enfim... Há dias menos bons, outros melhores. lol

      Eliminar
    2. É isso que a Pec diz e muito bem, no outro lado (ao nosso lado :)) está um ser humano que é único e vai reagir consoante a sua natureza. A diferença aqui é que nós pais temos de os conhecer melhor que ninguém e saber identificar quais as melhores 'estratégias' para o ajudar a ser um ser melhor...

      Eliminar
    3. O problema é que às vezes nem temos tempo para conhecê-los, para ouvi-los, para definirmos estratégias. Às vezes sinto que é o tempo que manda em mim e não o contrário.

      Eliminar
  6. Penso que é algo que se vai aprendendo, também com o erro... Mas algo me diz que te vais desenrascar bem :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, tenho aprendido com os meus erros, mas às vezes sinto que preciso de algo mais. Obrigada pela força! :)

      Eliminar
  7. Eu digo muitas vezes à minha pequena que estou orgulhosa e que incentivo que "tu és capaz!" :D
    Não sei se é bem ou mau mas é como diz a Candybabe, prefiro seguir o método da tentativa erro e seguir o meu instinto.

    Acredito que há regras que se devem seguir na educação de uma criança mas elas são tão diferentes (veja-se o caso de dois irmãos e suas personalidades) que acho que aplicar fórmulas não faz muito sentido!

    TU ÉS BOA MÃE

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim Martinha, sei que não há teorias certas, que se encaixem em todas as crianças. Vamos delineando estratégias consoante as suas personalidades, a forma como reagem a determinadas coisas.. Mas, como disse lá em cima à Paula, no comentário da Pec, às vezes é o ter tempo para. Em determinados dias andámos a velocidade de cruzeiro, não conseguimos desacelerar e a educação parece feita de impulsos e não de pensamentos. E isso assusta.me. Contudo espero bem que as minhas falhas não se sobreponham às minhas vitórias, ao meu amor de mão.

      Obrigada pela força! <3

      Eliminar
  8. Seguir o coração mas em equilíbrio. Sou mais pelo amor e intuição que pelas teorias.
    <3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E tens feito um bom trabalho! És uma fofa!

      Eliminar